domingo, janeiro 11, 2009

ÉRAMOS SEIS - JUMA IN MEMORIAM




Éramos seis, 5 gatos e um humano, uma família feliz, essa pequena criaturinha que acaba de partir abriu meu coração para a problemática do Reino animal, até tê-la, eu amava os animais e até os defendia dos maus-tratos, mas não tinha consciência real do sofrimento deles, nas ruas, rodeios, gaiolas, matadouros etc.
A Juma, minha princesinha abriu meu coração me fez um ser humano melhor mais sensível, mais humano, mais amoroso.
Vivemos treze anos, um tempo muito curto para se viver um grande amor, mais foi um amor intenso, maior que o amor dos seres humanos, tão cheio de cobranças, exigências às vezes permeado por ódio e muitas vezes violência.

Éramos seis, agora restou quatro, e infelizmente sei que o tempo não perdoa, passa velozmente para humanos e não humanos.
Minutos antes de sua partida eu a alimentei, ela acabou de comer e começou a passar mal, foi momento de grande angustia, desmoronei, mas em seguida procurei ter serenidade, pois sabia que meu desespero não a ajudava, chorei tudo que tinha para chorar, uma grande angustia invadiu meu coração — minha alma, mais em seguida veio uma serenidade estranha, somente a oração é capaz que fazer esse milagre.

Então fui até onde ela estava e lhe falei já sem pranto, procurando ter tranqüilidade na voz, e lhe falei de todo meu coração:
- Juma, eu te amo demais, você é minha princesinha, mas se chegou sua hora vá em paz minha querida, os Anjos e Devas a esperam lá na “Ponte do arco-íris”, não vai haver mais sofrimento, nem dor, você vai encontrar outros amiguinhos e ser feliz, mas me esqueci de dizer que um dia vamos nos encontrar. Mas se não chegou sua hora lute, vamos lutar juntas mais uma vez.

Depois que a libertei do meu apego egoísta, minutos depois ela se foi. Meu Deus como é difícil assistir esses momentos tão dolorosos e difíceis, como é difícil sair de um corpo para viver outra realidade.

Eu fiquei ali olhando e orando era só que podia fazer, não podia interferir, fazer nada, pois os Anjos a vieram buscar. Cheguei até chamar a veterinária, mas não deu tempo para nada. Estou muito triste, dolorida, mais eu acredito que nada morre, apenas mudamos de “estado”, vamos para outro grau de evolução, até mesmo os animais. Se eu não cresce em Deus, agora era o momento, minutos atrás ali estava ela sendo alimentada e até aparentemente bem, para em seguida só restar um corpo inerte, sem vida. Onde foi aquela “força” que alguns chamam alma que alimentava aquele corpo? Para onde foi?

A morte – ver a morte me faz crer ainda mais que existe outra vida, outras experiências a serem vividas. Minha primeira perda, e se eu não for antes, terei que viver essa experiência outras vezes. Minha querida eu a amo tanto que até dói, mas como a mamys falou nos momentos finais, você foi e é muito amada, vai ficar em minha memória e coração para sempre.
Vai em paz querida.

JUMA
* 09-09-1995 -
+ 11-01-2009 às 21:20.

2 comentários:

Fernanda Pietra disse...

Suas palavras tocaram profundamente minha alma.
Seu blog é maravilhoso. Amo os animais e acredito que do reino animal, o pior seja a espécie humana.
Temos muito que aprender com todos eles.
Juma está e estará sempre ao seu lado.
Que aprendamos cada vez mais com esses seres que encantam nossas vidas

Fernanda Pietra

rosane disse...

Oi, Amara! Só quem ama esses bichanos sabe como eles são fiéis, amigos e companheiro. Encontrei esta oraçao e achei interessante dividir:
ORAÇÃO PELO ANIMAL QUE ACABA DE MORRER

“Aos anjos protetores dos animais, e a Deus Todo-Poderoso, rogo pelo espírito do meu cão/gato ... (nome), para que siga em paz durante este curto período de recuperação que lhe é concedido no mundo espiritual. Que seu breve retorno ao plano físico sirva de exemplo para que eu possa, através dele, compreender o processo de reencarnação que a misericórdia divina concede para a cura e progresso espiritual da humanidade. E que o amor que nos uniu neste plano possa trazê-lo novamente para junto de mim, com o mesmo olhar doce a a suave alegria que me permitirão reconhecê-lo ao primeiro contato visual. Agradeço a Deus que, com sua bondade infinita, concedeste-me o dom de identificar nos animais os exemplos mais simples do processo de nascimento e morte que se opera ao longo de nossa secular trajetória existencial, e que neles possamos encontrar a esperança de uma nova vida, a cada fim de ciclo de existência física a que nosso espírito se submete pelo bem maior da evolução e na certeza de que a felicidade será sempre alcançada. Amém.”